29 de abr de 2009

VOCÊ CRÊ EM CUCURSU?


Ah, eu não sei se creio, mas o povo crê e se este selo ajudar a divulgar a mensagem mochileira de uma vida melhor pela viagem econômica, tá perfeito. Sabe aqueles "emeis" que a gente recebe com bruxinha da sorte, passe para 9 pessoas senão você vai pro saco, ou receba um dólar a cada email enviado? Eu não creio mesmo, mas creio que a palavra expressa de coração e com a intenção do bem maior vale muito.

Deveria ter o tema TURISMO lá pra gente se inscrever. É que na verdade eu tinha mais de uma opção, mas achei que a melhor seria esta: CULTURA.

Eu, na Gruta do Jeremias, lá no PETAR - Parque Estadual do Alto do Ribeira

Nosso herói este dia foi o Yassuo, que aguentou chute no saco, PUM na cara e quase um xixi em cima dele de tanto que a gente riu - Patrícia, Andréa, Kelly, Yassuo, Isabella e eu

Então, aí está o selinho e é só clicar nele pra votar. Daí você vai para uma página mágica onde vai confirmar o voto, receber um emei de confirmação e abrir o bendito do emei para liberar o voto. Meu, que saco!

Agora tenho que escrever sobre coisas e coisas referentes a COMO VIAJAR MELHOR E COM ECONOMIA.

Tudo do melhor para nós!


V for Verônica

27 de abr de 2009

VIRADA CULTURAL - VOCÊ VAI, NÉ?

FOTOS NO MEU Orkut -

Clique no LOGO da VIRADA CULTURAL para ir direto à programação - 2 e 3 de maio de 2009 O qu é isso aí embaixo, gente? Ah ,é uma competição de Torre Humana, no Festival de La Mercê, que acontece em outubro, na Catalúnia, Espanha.

Abaixo, temos uma reencenação da Batalha de Hastings que também acontece em outubro na Inglaterra. Este peladão aí, vai participar do Festival Naadam, onde são apresentados esportes típicos mongóis, na Mongólia, em agosto. E aqui, no batuque com cara de Bahia, você está vendo o Carnaval de Notting Hill, que acontece em agosto, em Londres, na Inglaterra.
Aqui embaixo é o Festival de Edimburgo, que acontece em agosto, na Escócia, e reune diversos artistas de rua, shows de música, mais ou menos como a Virada Cultural aqui, no Estado de São Paulo.
Eu falei no Estado porque diversas cidades realizam este FESTIVAL.
Uma das coisas que devemos saber quando vamos viajar para algum lugar é: Tá rolando alguma coisa típica, show, aniversário da cidade, feriado nacional, qualquer coisa que fará minha viagem, nesta precisa data, ainda mais emocionante? Aliás, ñ é só pra isso. Se estiver acontecendo um grande evento você corre o sério risco de ficar sem lugar para dormir. Se bem que sempre existe uma calçadinha para quem é despreocupado. Mas, meu, é seu primeiro mochilão e você já vai traumatizar dormindo na rua por falta de organização? Bom, sem estresse. Pura EMOÇÃO e Festival!!!
Imaginem a felicidade dos viajantes que chegarem em São Paulo no feriado e forem agraciados com arte, música, dança, cultura, comidas típicas, tudo virando a noite, com o povo todo se divertindo nas ruas? Especial! Fenomenal!

Mominha e eu perdemos uma passeata contra a AIDS, em San Francisco, que tava sendo encabeçada pelo Robin Williams. Meu, a gente dormiu demais. Sabíamos que ia acontecer, mas estávamos baqueadas. Também teve uma reunião em San Francisco de centena de patinadores à noite pelas ruas, passando por todos os Piers. Olha, estar presente em acontecimentos assim é muito legal. Os paulistanos estão até acostumados a surpresas como estas, mas sempre é um prazer estar NO MOMENTO em que está tudo acontecendo. Fazer parte da energia, da alegria. Conhecer, aprender e desfrutar.
Você que é do interior de São Paulo, tipo LOUVEIRA, VALINHOS, CAMPINAS, ITATIBA, ITUPEVA, VINHEDO, NAZARÉ PAULISTA, PERDÕES, ITIRAPINA, JAÚ, ITU, que é de um Estado vizinho: taí sua oportunidade de experimentar um mini mochilão pra São Paulo e, se quiser, nem precisa alugar cama no albergue porque poderá passar a noite na folia, se tiver pique. E que tal arriscar um hospitality club, ou couchsurfing?
.
Fui dormir cedo pra aguentar virar na VIRADA.
.
.
.
V for VIRADA, craro!
.
.
Ah, uma página que eu consulto pra várias coisas é a TRAVLANG e eles tem um link para calendários de alguns países. Tá em Inglês. Botem no tradutor do Google, riiiight?

23 de abr de 2009

PASSAGENS MAIS BARATAS FINALMENTE!!!!

É só pra quem ficou sem saber da notícia!!! Depois eu apago isto aqui:

LIVRE CONCORRÊNCIA DE PASSAGENS AÉREAS!!!!
MEU, O SONHO DE TODO MOCHILEIRO. A COISA MAIS CARA NA VIAGEM ERA A PASSAGEM AÉREA. AGORA TÁ TUDO FICANDO PERFEITO!

IEEEEEI!

RADAR ON-LINE LAURO JARDIN

22 de abril de 2009

AVIAÇÃO
Anac acaba de liberar descontos nas tarifas
A diretoria da Anac, em reunião que terminou agora, decidiu liberar o preço das passagens internacionais em voos para os EUA, Europa, África, Oceania e Ásia (veja mais detalhes na nota postada hoje, às 11h13).
Inicialmente, o desconto será de até 20% abaixo do piso estabelecido pela Anac. Em julho, os descontos passam a 50%. Três meses depois, em outubro, as companhias aéreas poderão oferecer preços até 80% mais baixos e, finalmente, a partir de março de 2010, a tarifa será totalmente liberada.
Hoje, o piso para tarifas internacionais em vôo (ida e volta) com origem no Brasil é de 708 dólares para os EUA. Para Alemanha, França, Itália ou Reino Unido, 869 dólares. Para Cuba, 848 dólares.
E os descontos devem vir mesmo: em janeiro, a Anac recebeu informações oficiais de quatro empresas aéreas estrangeiras dizendo-se dispostas a diminuir os preços, assim que a liberação viesse. A expectativa da Anac, porém, é de que as tarifas dos voos para a Europa caiam mais, por causa da maior concorrência.
Ao contrário do que estava previsto, o representante do Snea, o sindicato das empresas aéreas, não compareceu à reunião.

Ah, fiquei contente. Já era pra ter postado isso aqui.

Sucesso, meu povo!


V for Verônica

HOJE É COMEMORADO O DIA DO LIVRO!!!!

Mas se você só souber disso amanhã está perfeito. O importante é todo mundo ler mais, apesar de fazer mal a vista. Hihi.
Então fiz um ensaio fotográfico do livro MEU PÉ QUE ME LEVA PELO MUNDO, SEM FOCO porque a máquina, sinceramente, tá uma bomba. Durinho.....
Tipo, eu com o livro se aproximando.....



...se aproximando mais.......

...sendo engolida pelo livro....

....engoliiiiu! SEM FOCO. Seu monitor tá perfeito, filho.

As orelhas do meu livro são "pés".


Ainda tem mais. Depois vou postar para vocês dicas de como escrever um livro que fale de viagem. Só umas idéias para você que tem muita vontade de escrever sua experiência, nem que seja para um blog, que poderá virar livro, e fica um pouco confuso e com vergonha de soltar a veia literária.

Outra coisa é que recebi um "emei" sobre os livros mais falados pelos ingleses, mas que na verdade a maioria das pessoas que fala deles nunca os leu. Vamos a eles e vejam vocês se já leram algum:

1. '1984' de George Orwell (42%).

2. 'Guerra e Paz' de Leo Tolstoy (31%).

3. 'Ulysses' de James Joyce (25%).

4. 'A Biblia' (24%).

5. 'Madame Bovary' de Gustave Flaubert (16%).

6. 'Breve historia do tempo de Stephen Hawking (15%).

7. Filhos da Meia Noite de Salman Rushdie (14%).

8. 'Em busca do tempo perdido' de Marcel Proust (9%).

9. Os sonhos da minha mãe de Barack Obama (6%). (Quê?)

10. 'O gene egoísta' de Richard Dawkins (6%).

Meu, desses aqui eu só li inteiro o 1984 e faz mais de duas décadas. E vi o filme, claro! A bíblia foi esquartejada por mim. E por muitos. E, tá bom, é uma enquete de ingleses, mas era só pra escrever um pouquinho mais sobre livro.

Agora, livros de aventura, eu li o do Amyr Klink - Cem dias entre o céu e o mar, também gosto do Jack London, que eu já falei aqui, mas sou fá mais é de guias de viagem, que vou falar mais pra frente, num post speciale. Ah, e sou fã de Malba Tahan(Julio Cesar de Mello Sousa) e vou terminar este post super rápido com uma parte da história dele que tem tudo a ver com GENTE QUE VOCÊ ENCONTRA NO CAMINHO DE SUA JORNADA:


"No qual encontro, durante uma excursão,
singular viajante
. Que fazia o viajante e quais
as palavras que ele pronunciava."


"...
- Que maravilha! – exclamei atônito. – É inacreditável possa um homem contar, em rápido volver d’olhos, todos os galhos de uma árvore e as flores de um jardim! Tal habilidade pode proporcionar, a qualquer pessoa, seguro meio de ganhar riquezas invejáveis!
- Como assim? – estranhou Beremiz. – Jamais me passou pela idéia que se pudesse ganhar dinheiro, contando aos milhões folhas de árvores e enxames de abelhas! Quem poderá interessar-se pelo total de ramos de uma árvore ou pelo número do passaredo que cruza o céu durante o dia?
- A vossa admirável habilidade – expliquei – pode ser empregada em vinte mil casos diferentes. Numa grande capital, como Constantinopla, ou mesmo Bagdá, sereis auxiliar precioso para o governo. Podereis calcular populações, exércitos e rebanhos. Fácil vos será avaliar os recursos do país, o valor das colheitas, os impostos, as mercadorias e todos os recursos do Estado. Asseguro-vos
– pelas relações que mantenho, pois sou bagdáli – que não vos será difícil obter lugar de destaque junto ao glorioso califa Al Motacém (nosso amo e senhor). Podeis talvez exercer o cargo de vizir-tesoureiro ou desempenhar as funções de secretário da Fazenda muçulmana.
- Se assim é, ó jovem – respondeu o calculista -, não hesito. Vou contigo para Bagdá.
E sem mais preâmbulos, acomodou-se como pode em cima do meu camelo (único que possuíamos), e pusemo-nos a caminhar pela larga estrada em direção à gloriosa cidade.
E daí em diante, ligados por este encontro casual em meio da estrada agreste, tornamo-nos companheiros e amigos inseparáveis."

(trecho de O Homem que Calculava)

Que livro cheio de coisas bondosas, generosas e amizade! Que livro lindo! Um presente maravilhoso para adolescentes e adultos. Que nem o meu livro....

Uassalã!


V for Verônica

16 de abr de 2009

FORMATURA DO COLEGIAL - FESTA, PORTO SEGURO OU TRILHA NA ARGENTINA?

PARA SABER COMO ADQUIRIR MEU LIVRO DE VIAGEM ECONÔMICA - MOCHILÃO - CLIQUE AQUI
__________________________________


Mochileiro francês em El Chaltén - Argentina

Falem, jovens (como diz meu pai lindo)!

Já escrevi algumas coisas sobre este assunto de formatura em página de Orkut de algumas escolas e chegou a hora de escrever aqui, ainda mais porque na verdade a gente precisa é das férias para viajar e comemorar a conclusão de algo. Esse negócio de esperar chegar o final do ano só se quisermos mesmo.

Cemitério Recoleta e símbolo da união dos povos argentinos
Tá bom! Cada um faz o que quer, segue a onda que quer, mas meu, deixa eu dar uma dica legal para você que está se formando, tá com 18 anos(ou quase): sei que tem muita gente que adora uma festa e realmente quer a formalidade, chamar família e amigos, vender convite, ter aquela noite inesquecível, onde todo mundo se abraça, chora e parece que nunca mais vai se ver na vida. Isto pode acontecer mesmo, mas te aviso que simplesmente é assim. A gente quer ter essa experiência. Eu tive, mas foi porque ninguém chegou pra mim e falou " olha, ao invés de gastar uma baita grana com isto, por que não vai pra uma danceteria com seus amigos, festeja e depois deixa a grana maior pra viajar e conhecer algum lugar novo antes de começar sua faculdade, ou até a já trabalhar em algo, tipo, sua última aventura antes de entrar no "mundo adulto?"" Certo, como disse, cada um tem seu gosto, mas estou eu, aqui, dando mais uma opção à você. Aquela grana que você ou seus pais juntam pra essa única noite pode render mais de uma semana em lugares que nunca imaginou um dia ir. Lugares que podem mudar sua escolha profissional, seu jeito de ser, seus pensamentos.
____
_____Passeio no canal de Beagle- Ushuaia
FORMATURA E FESTA EM PORTO SEGURO OU EM NAVIO
Mais uma vez, sem ser contra, sem ser a favor também, fazer um mochilão, pode ser opção a tudo isso e diria que você vai além mais mesmo sem estar num navio festeiro no final do ano ou na semana do saco cheio.

É aquela vibe, todo mundo dançando, enchendo a cara, se "divertindo", resolvendo rolos enrolados, dando adeus a tempos que NÃO VOLTAM MAIS. Esta é a palavra. Voltar. Têm momentos e oportunidades que só acontecem uma vez. Putz, experimentar um mochilão ainda novo é tudo de melhor que pode te acontecer. É quase como um teste para escolha de carreira, de como você quer ser e o que você vai priorizar no decorrer de sua vida.
¬¬¬¬
¬¬¬¬ Muitos carros antigos-Mendoza
COMO É QUE VOU FAZER ISSO SENDO NOVO, SEM SUPERVISÃO DE ALGUÉM?
Primeiro, claro, você tem que conversar com as pessoas responsáveis por você, falar sobre os benefícios de fazer uma aventura como esta e da economia!

COMO EU PREPARO ISSO? QUERO IR COM UMA TURMA, ORAS!
Meu, turma de, no máximo, cinco. Pegue seus melhores amigos e organize uma semana para ir, ou pra Torres del Paine, no Chile, ou Aconcágua, ou El Chaltén, ou Perito Moreno, ou Puerto Madryn, ou Ushuaia e, claro, todos eles voltando por Buenos Aires. "Ah, mas vc nem falou em Bariloche!" E nem vou falar. Quer esquiar, vá pra um lugar DIFERENTE, tipo Las Leñas. É pra fazer diferente, então vamos fazer diferente mesmo.
Albergue-quarto e sala de refeição
Uma semana na Argentina, ficando em Albergue, acampando (ô, delícia), comendo comida de supermercado, visitando algumas atrações naturais(geleiras, montanhas) e caminhando muito por tudo, sai menos de R$1200,00, sendo bem exagerada. O gasto maior será com transporte. E tenha saco para as viagens para ir de um lugar a outro. Mas isto é o de menos comparado ao que se conhece, se aprende.

§§§§
§§§§§§ The invisible Verônica - Parque Tierra del Fuego -Ushuaia
Isto é só pra dar uma ideia de coisas que se podem fazer com seu dinheiro e com um momento tão especial de sua vida. Resolver rolo, você resolve outra hora! Vá aproveitar estes momentos para enlouquecer com este mundo cheio de coisas lindas que temos aqui e bem do ladinho da gente. Treine seu "portunhol", ou seu espanhol. Aliás, depedendo de onde você for, vai ser difícil ouvir português, com exceção do português de seus amigos. E quanto mais vocês brincarem de falar outra língua, melhor para a cérebro de vocês. E quando estiverem chegando em casa, no Brasil, vão ouvir as pessoas e vão ficar confusos, como se estivessem ouvindo a Sinfonia da Internet no YouTube
___
______Luciana no ANDESMAR, indo para El Bolsón
Aí você me pergunta por que eu deixei de sugerir o Brasil no meu livro de DICAS DE MOCHILÃO. falando de coisa diferente. Fazer algo marcante.
Para ir para Los Hermanos "arrentinos", o chilenos, o "uruguajos", basta você ter identidade. Viva o MERCOSUR!!! Aí, você tem que começar as PESQUISAS com gente que já mochilou por alguns lugares, como eu, e ver preços, o que levar de roupa, o que você e seus amigos vão gostar de fazer juntos e levar um susto com as coisas diferentes que vocês poderão fazer em apenas uma semana. Aí, o pessoal que foi pra Porto Seguro vai contar dos festejos, das belezas naturais, do sossego do dia seguinte a ressaca e vocês vão contar dos festejos, das aventuras, das belezas naturais, dos estrangeiros, dos perrengues com a língua, de como tudo é diferente, de como a comida é boa, de como tava friiiiio, de como a barraca voou, de como vocês estão cansados de tanto agito....
Grafite em La Boca - Buenos Aires
Ah, sabe, como eu quero que você vá mochilar, claro que minha sardinha vai pra este lado. Mas, de verdade, pense bem no que fará para festejar sua formatura. Pense na economia. Ponha na balança: uma festa, uma viagem para Porto Seguro, que tá aqui do lado, digamos, ou uma viagem para outro país, todo diferente com seus amigos?

Vá pensando porque tudo pode acontecer durante o ano, mas você tem que planejar com antecedência sua formatura como MOCHILEIRO.

V for Verônica

14 de abr de 2009

AS 10 MAIS PARA A VOLTA AO MUNDO!!!! MÚSICA PARA VIAGEM

Às vezes tenho a impressão de que tem alguém vigiando meus pré-textos no computador, sondando minha casa, minha mente. Escrevi há meses sobre mochileiros com necessidades especiais. Ainda não postei porque estou coletando mais informações. Além de minha vivência em mochilão, onde vi gente com deficiência viajando (não sao muitas), tenho medo de falar besteira sobre alguns assuntos, mas quem não fala? Eu vou postar mais pra frente. Mas o negócio é que vi na TV outro dia uma moça em cadeira de rodas (cadeirante) que escreveu um guia de viagem para PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS. Meu, isto é só um aviso: se você não se mexe, outros se mexem. Tudo bem, há quanto tempo ela está fazendo isso? Então é pensar e agir. Fazer e expor logo, não apenas para ser pioneiro, mas para alertar e disseminar o quanto antes o que é importante para fazer a vida das pessoas melhor!

Agora, mais um: tenho uma LISTA DE MÚSICAS PARA VIAGEM. Sempre aumento uma música, diminuo duas, e assim vai. E ás vezes dá saudade e ponho tudo junto. A gente faz estas coletâneas, o mercado faz estas coletâneas há anos, livros e filmes fazem isso (ALTA FIDELIDADE, de Nick Hornby) e eu tenho uma listinha light que ainda vou postar aqui. Aí, abro o msn e o que vejo? "Lista de músicas que dão vontade de fazer turismo". Legal. Vão tomar banho! Eu ia pôr antes! hahahaha! (tonta...)
Então, vamos à lista porque "traumalizei". Faça suas coisas e faça logo. Pode ser um passo para uma dúvida sobre quem voou primeiro: Santos Dumont ou Irmãos Wright? Claro que meu voto é para meu parente, o Santos. Dumont. Acho que ele ouviria...:

1 – Spread your wings – QUEEN – De Partida
2 - Leaving home ain’t easy – QUEEN - tb é pra partida
3 – Bobby Macgee – Janis Joplin – de carona
4 – Passanger - Siouxie and the Banshees
5 – Ramble on – Led Zeppelin - vagabundeando
6 – Smoke on the water – Deep Purple – Montreux, SUIÇA
7 – A sort of homecoming – U2 – Voltando pra casa
8 – Vento Ventania – Biquini Cavadão
9 – Don’t stop thinking about tomorrow – Fleetwood Mac
10 – London Calling – The Clash – Inglaterra
11 – California Uber Alles – Dead Kennedys - EUA
12 – Fly – Blind Guardian- No espaço aéreo
13 – Daniel - Elton John– Na Espanha
14 – Born to be Wild – Credence Clearwater Revival - No busão
15 – Pleasant Valley Sunday – The Monkees – No busão ou num parque qualquer, comendo meu almoço
16 – Amsterdam – Coldplay - Holanda
17 – It’s my life – Talk Talk
18 – The trees – Rush – Canadá
19 – Teo Toriate – QUEEN – Japão
20 – Músicas dos TUVAN – Cantores de Gargante – Deserto de Gobi, Mongólia
21 – Oceans – Pearl Jam – Numa praia deserta qualquer
22 – Don’t stop me now – QUEEN – no ápice da viagem
23 - Irish Heart – Morrisey – Irlanda
24 – Aces high – Iron Maiden – Carcassone, Normandia, França
25 – Wherever I may roam – Metallica – Dinamarca, em homenagem ao Lars
26 – San Fracisco – Scott Mackenzie – Meu lugar preferido no mundo, depois de São Paulo.
27 – Israel song – Siouxie and the Banshees
28 - Jacques Brel - Mon pére disait - navegando
29 - 365 - Deperta São Paulo
30 - Ticket to ride - The Beatles

São mais de dez, sem dúvida. Parece que este negócio de listar as 5 ou 10 mais é só pra gente sofrer e ter que deixar uma queridas para trás. Então, como na realidade nada tem regra, posso fazer o que quiser coloquei váááááárias canções do mundo aqui.
Bem, eu vou pra São Paulo agora. Depois escrevo mais.
Façam suas listas de música quando forem viajar. É tão bom dar umas relaxadas ouvindo um sonzinho que você gosta no trem, na estrada, no deserto, na praia, numa trilha, no mato, por aí, pelo mundo.....mas chegando alguém para falar com você, torcerei para que esta pessoa seja o melhor som do todos os tempos!
Tudo de bom.
"Gotta take my time......
I have all the time in the world......" (Depeche Mode)
Do you?
V for Verônica

13 de abr de 2009

VOLTA AO MUNDO - SOU SOZINHO. COMO FAÇO COM MINHA CASA DURANTE A VIAGEM?

Gente, ainda tem um bocado de coisas que tem que se fazer antes de uma viagem longa de VOLTA AO MUNDO. Olha só:

Se você não vendeu sua casa para fazer a VAM, sugere-se que você coloque contas mensais,etc em débito automático. Melhor ainda se você puder desligar sua eletricidade e água. Você também pode pensar em alugá-la durante o período em que estiver fora, ou convidar um amigão para passar uma temporada por lá, assumindo, claro todas as contas.

Conta de telefone. Tanto tempo na estrada, melhor cortar o telefone também e falar pelo mundo. Você também pode desde agora, estudar mudanças neste serviço, como ter apenas telefone pré-pago eusar muito a internet. Seremos nós os vencedores nessa história de tarifas telefônicas mais baratas. Globalização dana por um lado, mas beneficia por outro. Vamos aproveitar no que der!!!

Suspenda entrega de revistas, jornais, etc. Peça para algum vizinho de confiança pegar qualquer correspondência que ficar em sua porta. Se morar em apartamento, avise seu vizinho, o síndico ou o zelador, dependendo do grau de confiança que você tenha, para que fique com as correspondências e que sempre que possível entrará em contato para saber sobre ela.

Se você não vendeu seu carro para fazer a VAM, sugere-se que você peça para alguém sempre dar uma volta ou ligá-lo porque senão ele vai
estragar. Os pneus vão pro saco, a mecânica emperra. O mesmo com moto e barco. Eu me desfaria deles e aplicaria a grana na VAM.

Entre em contato com seus bancos e empresas de cartões de crédito para comunicar que estará em viagem pelo mundo e informe seu possível roteiro para evitar o desprazer de estar em um albergue na África, pagando sua estadia com cartão e ser comunicado de que seu cartão está bloqueado por suspeita de clonagem fora do Brasil.

Lembre-se de que é uma boa ter verba na conta para quando voltar para casa. Desta forma você, que provavelmente será um desempregado quando chegar, terá um dinheirinho para pagar suas contas por, pelo menos, 4 meses, ter comida e conseguir pagar algum tipo de transporte pela cidade, ao menos para conseguir um emprego!!!

Comece a organizar isso com, pelo menos, 4 meses de antecedência de sua viagem. Já vá se informando sobre como realizar alguns procedimentos e se você se lembrar de mais coisas que devem ser feitas com antecedência, passe aqui!!!

Sallam!

V for Verônica

ESCREVENDO UM LIVRO DE VIAGEM - e como publicar seu próprio livro


Verônica, o que você fez?
Escrevi um livro. Tinha o material, eu mesma editei e, mais que tudo, tinha dinheiro.

O que te levou a escrever?
Escrevi o livro por necessidade de dividir com as pessoas conhecimento de uma coisa que considero tão boa e porque senti ("numerolorria") que era o momento. Algo dentro de mim queria sair e esta foi a forma. Felizmente tive como fazê-lo. Quis o destino (frase comum em algumas literaturas) que meu emprego saísse de mim, gastei muito com contas nesse ano desempregada, mas ainda assim, consegui guardar parte do dinheiro para concluir a obra. Com ajuda de minha irmã e dos meus pais, até hoje, continuo trabalhando neste projeto. Ah, consegui um emprego de cucursada do Estado este ano pra dar uma força e eu continuar investindo neste negócio de viagem.

Você, como uma nova editora, sem conhecimento do mercado, como disse, o que pode falar para nós que gostaríamos de escrever, digamos, um livro de aventura?
Comercializar livro sem ter alguma grana de apoio parece-me bem difícil. Principalmente quando você é desconhecido no mercado. Minha sorte é ser autora e editora porque senão teria que dispender mais dinheiro do que já investi. Aliás, isto já aconteceu. Outra coisa que estou tentando fazer é venda direta para que o lucro não se dissipe no caminho entre distribuidora (5 a 10%) e livraria( coisa de 50 a 60% do preço de capa). Desta forma o preço do livro fica baixo e o lucro fica todo com nossa editora. Para conseguir obter lucro mesmo, deveria vender, pelo menos, 5 livros/dia. Perguntem quantos vendo: tenho dias sem me desfazer de um.

Como você está fazendo com a divulgação?
Para divulgar o livro tive apoio de amigos futuros mochileiros, blog de amigos e este meu, Orkut, comunidades voltadas para turismo, divulgação em algumas mídias, familiares que compram por orgulho do parente e para ajudar, amigos que compram por consideração e para ajudar e pessoas que realmente estão precisando da orientação, gostam e passam adiante no boca a boca, aliás, uma das melhores ferramentas.

E como estão sendo as vendas?
No primeiro mês de vendas (janeiro) tudo foi animador. Vendi mais de 100 livros. Metade foi comprado por parentes, amigos que estão aprendendo a mochilar ou são mochileiros e alguns poucos que viram ou ouviram através dos meios de comunicação. É aí que a coisa começa a apertar. Ainda tenho muitos chegados que não adquiriram o livro. E quando acabarem os chegados?

E por onde você está comercializando o livro?
Só comigo e pela internet. Mas ainda não tenho programa. A pessoa tem que falar comigo e fazer o pedido. Alguns dos problemas que temos em venda direta pela internet são:
-muitos se interessam, mas deixam para adquirir depois. Aí, acabam se esquecendo ou perdendo o interesse. Não estão com pressa de saber poruqe muitas vezes nem tem planos pra viajar

- outros querem o livro, mas tem receio de fazer depósito em conta. Admito que também tenho e compreendo. Ninguém se conhece
- querem o livro imediatamente, ou seja, em livraria, e tenho que explicar que por ora tento evitar dissipar o lucro
- não reconhecem a aquisição do livro como algo que vai fazer com que economizem mais adiante. Isto é uma questão de trabalhar melhor a divulgação.

Qual a dificuldade de fazer um livro quando você é totalmente leigo?
Sem contar a parte burocrática, vamos falar do livro em si. Tem bastante coisa que temos que saber como:
Qual o formato do seu livro?
Vai ter imagem? Se tiver, será colorida ou preta e branca? Ficarão em um caderno (o que é isso?) ou espalhadas pelas páginas?
Qual o tipo de papel e gramatura?
Qual fonte usará?
Quantas páginas terá o livro?

Quais programas você tem para diagramação de seu livro?

Meu, sabe o que é toda vez que você altera uma palavra o bloco de texto mover e mudar a quantidade de páginas? Isto acontece. Tratar as imagens para ficarem com boa qualidade, escolher a fonte certa e o espaçamento ideal para que fique fácil a leitura, conseguir um visual elegante e fazer uma boa revisão para evitar tanto erros de digitação como gramaticais, ou históricos, geográficos... Sofri com tudo isso por sete meses. Tentei fazer o melhor com meu parco conhecimento e com a generosidade de um Editor, o Carlos Monteiro, da Editora ASA, que recebeu Eber e eu em seu escritório e dividiu conosco tudo o que podia, tanto por ter noção de que o mercado era difícil, como por saber os riscos que uma editora nova, com um livro só, e sem fundos, pode passar. Ainda existe isso no mundo; gente que sabe que é importante dividir e que ajudar o outro enriquece mais.

Tento, até agora, diminuir os custos da empresa. Quero começar a vender por programinha pela internet. Acho que vai ajudar bastante. Muitas pessoas preferem a impessoalidade neste mundo da net. Se bem que é isto que quero mudar. Quero gente falando comigo, marcando pra gente se conhecer, batendo papo para que eu possa conhecê-la e assim ter maior facilidade para ajudá-la.

Se você tem grana para produzir seu livro, basta saber se você quer presentear pessoas ou se quer comercializá-lo. Se seu objetivo é ao menos zerar seu investimento, é interessante que tenha uma lista de pessoas para oferecer. Amigos e familiares são os primeiros. Dependendo do assunto, busque pessoas interessadas. Se você tem o material, mas lhe falta a grana, a coisa pode ficar mais complicada. Se for um material de qualidade e de interesse geral vale a pena tentar uma editora grande, com perfil para seu livro.

Daí é fazer pesquisa com as editoras, mandar um material bem organizado, limpo, bem escrito para você ficar o mínimo decepcionado, caso receba uma carta de agradecimento pelo envio do material, mas sem qualquer interesse da editora por pubicá-lo. Você tem que fazer sua parte enviando um material "apresentável".

Se seu material tiver perfil cultural, educativo, você pode tentar fazer uso de Leis para o incentivo cultural de nosso MEC, como a Lei Rouanet, que está sofrendo diversas alterações que estão desanimando os empresários que topavam este tipo de patrocínio.

E patrocínio, você tentou com empresas da área esportiva, turismo?
Buscar patrocínio, sendo desconhecido, ou sem contato com alguém chave para isso, também é complicado. Procurei patrocínio antes do lançamento do livro para poder, pelo menos, cobrir parte do custo do material e fazer a publicidade de alguns produtos que se identificavam com meu livro. O problema é que eu sou ninguém para o mercado consumidor. "Que livro escreveu antes?" "Gostariamos de ver o produto pronto". Como vou dar o produto pronto se preciso do apoio pra finalizar? Posso mostrar uma boneca mais ou menos, mas preciso de uma reunião e o material ficará assim se VOCÊ puder patrocinar. Senão vai mudar tudo. É difícil até você acertar um horário para conversar com estes possíveis investidores. Ninguém quer ter prejuízo, claro! Mas existe muito medo no mercado. Algumas quotas de patrocínio são tão pequenas, dependendo da empresa, e atingem o alvo com tanta força se feito desta forma para o mercado específico, mas as empresas querem focar sua renda de publicidade para mídia de massa. ”Brasileiro não lê!” Eu já diria que AS PESSOAS FAZEM O QUE É INTERESSANTE A ELAS e hoje, num mundo onde economizar é mandatório, elas procurarão e analisarão qualquer assunto que fale em benefícios financeiros, seja o assunto que for. Depois veem se o assunto interessa, mas primeiro vem a mente as palavras ECONOMIA E BENEFÍCIO.

Certo. Agora que você falou bastante sobre o que captou com sua SAGA DO LIVRO DE MOCHILÃO, quais suas dicas para pessoas que queiram escrever sobre viagem, como relatos de suas aventuras, ou que queiram já transformar seus blogs em livros?
Visite livrarias, analise as tendências de capa e faça algo que misture esta tendência e algo diferente. Imagine se você for colocar seu livro de viagem de LOMBADA colorida junto a tantos outros com a mesma tendência. Veja o que está muito igual e seja diferente, chamativo, mas elegante aos olhos.

Vomite tudo o que tem em você e depois comece a organizar e limpar seu texto. Evite muitas limpezas, ou seu trabalho será a Pedra de Sísifo que termina sempre voltando para o início.
Resista as alterações do texto. Uma vez que considerou um capítulo bom, só altere-o se outros capítulos lhe remeterem a um equívoco feito neste. De outra forma, suma com ele porque senão vai cair no Sísifo.

Ponha ilustrações com boa definição. Olhar borrão desanima o leitor. Aliás, uma das primeiras coisas que o leitor vê em um livro que contém ilustrações são AS ILUSTRAÇÕES que já dizem muito sobre o que pode conter os textos.

Fale sobre como fazer o que você fez, além de contar seu relato da viagem.

Deixe a poesia para os romances. Seja você. Esta coisa de “o sol jogava raios que alongavam ainda mais meus horizontes”, deixe para José de Alencar. Tá! Tem gente que gosta, pra visualizar, mas isso faz as pessoas focarem em algo que pode ser desnecessário e tirar a atenção da viagem em si, ou de coisas mais intensas, como “o sol jogava raios nas ondulações do mar e refletiam no dorso de uma jubarte que passava próxima ao navio na costa de Santa Catarina. É mês de agosto e fico feliz por estar aqui nesta época.”

Estabeleça uma conversa com o leitor. Como se estivesse escrevendo uma carta, uma missiva (ui!) para um grande amigo. Seja sincero.

Cuidado com DIREITOS AUTORAIS. Sempre cite fontes claramente para não acharem que aquela letra de música foi você quem fez. "Mas quais são as palavras nunca são ditas?" O poeta já disse "meus versos não são meus", mas os direitos autorais dizem outra coisa porque dinheiro fala. Viver de poesia é para poucos. Viver da arte é para poucos. Não deveria ser assim, mas isto é um outro assunto

Tenha consciência de que tudo que você escrever terá consequências e poderá ser usado contra você, então pense bem antes de escrever palavrões, criticar algo negativamente. Ser positivo e saber respeitar qualquer coisa é muito importante para que o texto siga degustável. Se for comentar algo negativamente, também é possível fazê-lo com nível. Mas se seu estilo é despojadão e você sabe que dá conta, isto só vai tornar tudo mais atraente. Pelo menos é o que eu acho. E aí é melhor cair para o cômico.

Informações transitórias devem ser evitadas ou alertadas de sua evanescência

Dê um perfil para seu livro – texto jovem/sério/ cômico/ jornalístico. Seja íntimo, seja engraçadinho, mas certifique-se de que sua gracinha tem uma finalidade boa para o livro.

Escreva o livro como sua jornada – começo, meio e fim. A não ser que você vá escrever crônicas. Aí você pode até já avisar o leitor para ele saber que o importante são as histórias e não o momento em que ocorreram. Sem chamar o leitor de burro, é legal a conversa com ele antes de contar a jornada, ainda mais que tô torcendo pra gente que nunca imaginou ler algo deste estilo pegar e entender de vez tudo. Nada de achar coisas complicadas. VOCÊ fez, caramba! Por que o leitor vai ser um "cabeça" incapaz de um dia fazê-lo? Esperança, gente!

Foque mais em um ponto de sua viagem – referente a aprendizados, a pessoas que conheceu, ou lugares diferentes, por exemplo.

Faça uma boa sinopse para a quarta capa e para as orelhas. Se conseguir que alguém mais conhecido da área de viagem dê sua opinião sobre o livro, é algo que dará credibilidade ao texto.

Pode falar sobre custos?
Cada trabalho tem o seu. O meu saiu um valor. O seu vai sair outro se você fizer com mais páginas, outro material, não puser fotos e conseguir um desconto, por exemplo, pagando à vista, como eu fiz. Nem adianta falar que vai fazer com o mesmo número de páginas que eu. Nem eu farei mais como fiz. Farei melhor. Usarei mais páginas, gastarei um pouco mais e deixarei o material mais elegante. Se você só tiver a capacidade de escrever poderá entrar em contato com uma gráfica e editora e vender seu material, se for considerado rentável. Se você tiver grana e for incapaz de escrever, mas tiver uma boa história, contrate um GHOST WRITER, como muitos escritores famosos fazem. Esta criatura pegará sua idéia, ou suas anotações, organizará e fará dela um trabalho digno de um livro. Tudo pago, claro, a não ser que o bendito seja seu amigo. Ter um revisor que não te cobre, como um amigo conhecedor (mesmo) da gramática, também ajuda bastante.

Se você conseguir editar seu livro, poderá ir a uma gráfica e ter somente o custo da produção. Se você conseguir patrocínios poderá ter os custos todos cobertos, lembrando que o patrocinador poderá ter peças prontas que ele escolherá onde quer colocar, ele poderá pedir exclusividade e, poderá sim, confiar que você fará o melhor por ele já que ele está viabilizando seu projeto. O patrocinador também pode solicitar uma quantidade de livros para uso próprio. Tenha tudo acertado antes.

O ISBN é solicitado somente no caso de venda em livrarias, jornaleiros, para acervos de biblioteca porque ele identifica seu livro e assunto em qualquer lugar do mundo. Se você vai fazer venda boca a boca e não faz questão de que tenham uma cópia de seu livro nos acervos da Biblioteca Nacional, acabou. É menos um gasto. Eu diria que é legal ter porque vai saber se seu livro bomba, aí você ainda vai ter isso pra resolver. AUDIO LIVRO tem número de ISBN também.

EU VOU FAZER AUDIO LIVRO!!! Mas só num dia mais pra frente.

Gráficas aceitam trabalhos acima de 1000 exemplares no caso de livros. Se você vai fazer livretos(menos de 50 páginas) é possível aceitarem um número menor. Tudo pode ser acertado em conversa.

Isto é um pouco do que sei e, mais uma vez, do que vivi, e espero que ajude quem está interessado em produzir seu próprio livro.

Coloco aqui alguns links pra quem quiser saber mais sobre os procedimentos para se escrever e produzir um livro. Tem links em inglês também: E botem a página no Google e mande tradutor nela!

http://mashable.com/2009/03/01/publish-book/

http://www.mesadoeditor.com.br/

http://www.papelenblanco.com/2007/01/30-como-escribir-y-publicar-un-libro-presentacion

http://www.primeirolivro.blogger.com.br/2004_01_01_archive.html

http://www.livronovo.com.br/

http://www.comoescreverumlivro.com.br/

http://publiermonlivre.free.fr/

http://www.youtube.com/watch?v=aaIPzxt_VEM

Depois boto umas fotos pq quero postar logo.

V for Verônica

DICAS DE LUGARES PARA VOCÊ MOCHILAR???

PARA SABER COMO ADQUIRIR MEU LIVRO DE VIAGEM ECONÔMICA - MOCHILÃO - CLIQUE AQUI
__________________________________


Túmulo de Julio Verne - Cidade de Amiens-França

Olá, minha gente!

Muitos curiosos pelo LIVRO de DICAS DE MOCHILÃO tem curiosidade por saber quais as DICAS DE LUGARES QUE DOU. Ah, minha gente....as pessoas são tão diferentes, o mundo é tão grande e cheio de gostos que considero restritas demais minhas dicas de lugares. Além de me considerar uma pessoa “diferente das outras”. Gosto de coisas que alguns acham estranhas e vou para lugares onde o cidadão comum acharia incomum ir (até ter uma visão mais ampla de mundo). Gosto de programas de TV que muitos diriam ser entediantes e faço coisas que muitos têm medo, ou vergonha de fazer. Já disse que por isso escrevi o livro, tentando fazer você perder o medo de se seguir pelo mundo, sendo mais confiante em si e no que o universo pode lhe oferecer de positivo.

Sei lá do que você precisa para ser mais confiante em você. Se quer ler sobre auto-ajuda e isso te ajudar, leia! Se freqüentar algum tipo de culto religioso te ajuda a ser melhor, vá atrás, mas seja uma pessoa melhor e mais realizada. Busque a felicidade enquanto você está aqui e faça o seu ambiente e as pessoas com quem convive mais felizes. O meu jeito de oferecer felicidade é sugerindo que as pessoas saiam de seus lugares habituais e se insiram numa nova colméia onde pode sim haver abelhas africanas prontas a exterminar, mas diria que é mais provável haver apenas mel.

No meu livro, incentivo o povo a viajar economicamente e mostro como faço isto. Dou DICAS de como viajar melhor, sem um roteiro de lugares meus, mas sim para todo e qualquer lugar. Apenas falo sobre alguns lugares onde estive para você imaginar coisas que passei em lugares que você pode até resolver conhecer um dia, depois de ter imaginado como foi a experiência comigo. MAS CADA UM FAZ SEU CAMINHO DE ACORDO COM SEUS GOSTOS.

Gosto de cemitérios, arte tumular, bandas de rock, músicos eruditos, quadrinhos, história de grandes conquistadores, história, lendas, astronomia, astrologia, biologia, física (apesar de boiar na área, isto me encanta), trilhas, bichos, comportamento humano, já prestei medicina porque queria ser médica legista. Eu ia às aulas de anatomia da Isabella, lá na PUC de Campinas, só pra mexer nos corpos. Também gostava de ir na Faculdade de medicina aqui em São Paulo, na frente do Cemitério do Araçá, para ver as peças de estudo e fetos dentro dos potes. Eu gostava de ler as causa mortis e se tivesse algum profissional da área por perto, ficava fazendo perguntas. Sempre achei tudo muito interessante. Programas de TV sobre historia da evolução, medicina, detetives médicos, tudo isso sempre me fascinou. Também fui muito viciada em quadrinhos desde meus 7, 8 anos. Sem falar em quadrinhos da Turma da Mônica, que minha irmã e eu líamos direto no banheiro. Um grande incentivador de leitura e literatura. Lembro de um quadrinho de Romeu e Julieta que era MONICAPULETO e o CEBOLINHA MONTÉQUIO falando que o barulho da Cotovia que anunciava o dia era, na verdade, o “louxinol do Alebol”. Bons tempos. Depois comecei a ler quadrinho de super-heróis e de mini séries. Aí a gente cresce e começa a ler jornal. Gosto de ler os editoriais e as cartas dos leitores. Tenho ataques de ler coisas que nunca li. Tive época de ler direto CAROS AMIGOS, quando meu primo João Marcelo disse para mim que era uma boa fonte de notícias e opiniões. Depois peguei mania de TERRA, depois de HISTÓRIA VIVA. Algumas manias pararam simplesmente porque ficaram inviáveis financeiramente. Tive ataque de revistas de Decoração também. Assisto filmes que gosto diversas vezes. Decoro as falas, ordem das músicas em CDs, fico de olho nos lugares dos filmes para ver se me agrada um dia visitá-los. Quando estou com minha família, gosto de abraçá-los frequentemente. Às vezes saio mais cedo para lugares distantes apenas para ir caminhando e aproveito para ficar em forma e conhecer novos lugares. Gosto de ler até andando. Nunca tropecei nem “quase fui atropelada” desta forma. Parece que criei um instinto e meus olhos frequentemente se movimentam para além do objeto de leitura evitando um tropeço. Gosto de cantar e ás vezes canto alto pela rua e sei que tem gente ouvindo, mas o que estão proibindo agora é o cigarro. E canto em lugares abertos!!! Haha!ha! Gosto de ás vezes arriscar uma conversa com alguém de cara amarrada e descubro que aquela é apenas a cara da pessoa. Ela é outra coisa por dentro. Gosto de tentar fazer as coisas de outro jeito para exercitar partes do meu cérebro (....) Tento ser canhota ás vezes. Adoro brincar com criança. E sou pior que elas. Gosto de lembrar de frases sábias de filmes e ver que realmente a arte imita a vida, como quando em PÁSSAROS FERIDOS, a Bárbara Stanwick, que é a Mary Carson diz “meu corpo está velho, mas por dentro ainda sou jovem, ainda sinto, ainda sonho e ainda o amo. Óh, Deus! E quanto!”. E é assim que sinto minha vida seguir. Sinto-me como quando tinha vinte a e poucos anos (bom, só tenho 35). Ainda cheia de confiança e pretendo mantê-la junto a esta juventude que muitos deixam passar porque acham que é assim mesmo. Caramba! Você que se sente jovem (meu pai), sendo uma pessoa há um bom tempo na terra, sabe do que tô falando! Gosto de fotografar construções antigas, ainda mais porque sei que aqui, em São Paulo, esta terra aquariana, passado passou. Tem que dar lugar para energias novas. O problema é que a maioria das energias novas são ESTACIONAMENTOS! Derrubar um casarão maravilhoso que ainda pode servir para mais do que história e meter cimento no chão pra ser abrigo de carros é a idiotice da ganância do capitalismo. É ganhar dinheiro de forma burra. É egoísmo de se esquecer das futuras gerações. Gosto de comer PF em boteco e adoro uma cachaça. Gosto de me enfiar em vielas por onde nunca caminhei e ficar toda contente de sair em um lugar conhecido descobrindo um novo atalho ou novidades como lojas, botecos, bares. Sou viciada em livrarias. Eu entro e dificilmente saio sem algo. É raro eu ficar menos de 2, 3 horas dentro de uma. Entro em transe. Olho até o que não me interessa. Muita gente diz que parece que a gente fica mais inteligente por entrar em livraria, biblioteca... Acho que acontece mesmo porque é como se as estantes fossem grandes jornais dizendo quem escreve o que, qual o buxixo do momento (livros mais vendidos), quantos lugares têm no mundo, quanta gente desenha bem e faz HISTÓRIA mesmo em quadrinhos, quantos livros os escritores brasileiros escreveram o que e quando, quantas limguas a gente pode aprender de pouquinho ouvindo gravações, quanta literatura infantil tem por aí e COMO É CARA!!!! Tenho muito interesse pela cultura chinesa desde o colegial. Isto tem muito a ver com uma amiga que tinha – a YANG CHEN PEI. Ela era normal, mas chinesa. Às vezes falava com o pai dela algo em mandarim, ou cantonês. Sei lá. E eu ficava toda encantada. Sabia também que os chineses tinham inventado muita coisa e que tinham um desenvolvimento/conhecimento muito mais antigo e melhor que os egípcios e árabes. Isso tudo me deixava admirada. E olha hoje! E eu ainda vou pra China quando pegar a TRANSIBERIANA. Eu gosto de trem. Transportes raramente me cansam. Tenho um método de viajar mentalmente, ou começo a estudar as pessoas e as conversas(quando tem alguma) nos transportes. Ás vezes me pego olhando para alguém sem estar realmente olhando. Ás vezes perco meu ponto e tenho que voltar um pedação andando.
Rota da transiberiana
E ás vezes os percursos são realmente enfadonhos, mas quem faz o encanto do percurso em mais de 50% SOMOS NÓS. GOSTO DE FICAR SOZINHA e isto é algo que muita gente tem de diferente de mim. Só que só consigo ficar realmente sozinha quando estou enfurnada na minha casa. Tem gente que chama atenção ou parece ser aberto a conversas. Sou uma dessas pessoas. Eu pouco puxo conversa, mas tem dias que me dá um negócio e a matraca vai solta o dia todo. Por mais que tentemos ficar sós no mundo sempre aparece alguém e dá uma palavra. Até o beduíno no deserto. Até os sorrisos e curtos olhares são sinais de que você é mais um. Olharam você. Está no caminho das pessoas. É perceptível e pode sofrer o contato delas. Basta energizar seu corpo com uma carinha mais aberta ou abrindo sua boca para puxar aquele papinho sobre o tempo.


Baseada nas coisas que gosto, escolho meus lugares preferidos. Deu para sentir algumas coisas que gosto? Agora estude-se e descubra do que você gosta. E se você for muito comum, tanto melhor. Comum é bom. A vida fica mais fácil. Depois do seu mochilão mais “comum” algumas coisas podem mudar. Prepare de pouquinho a sua cabeça e experimente uma vida melhor do que a que você já tem hoje ou totalmente diferente de tudo que você imaginou que uma boa vida poderia ser.


Abraços Louveirenses!


V for Verônica

HIGIENE NO MOCHILÃO

PARA SABER COMO ADQUIRIR MEU LIVRO DE VIAGEM ECONÔMICA - MOCHILÃO - CLIQUE AQUI
__________________________________

Toma Banho todo dia......vá sonhando, vá sonhandoooooo.

Dependendo do lugar para onde você estiver indo a chegada pode demorar e você vai ficar um ou dois dias sem banho. Se você chegar de viagem muito cansado também, é você quem nem vai pensar em banho; vai querer logo é sua cama pra bodear e acordar no pique no dia seguinte. Aí você vai tomar seu banhinho bem quentinho(ou friozinho) e sair pra desbravar mundos. Se for um lugar muito frio, mesmo com calefação, meu filho, pode ser que te dê um desânimo. É sério! Aos virginianos, principalmente, que são os mais maniáticos por limpeza, saibam que isto é temporário. Você vai voltar um dia para sua casa e fazer uso de sua ducha e seus produtos.
Isto é estranho para quem está acostumado a uma rotina de asseio e é tolice se incomodar com isto. Afinal, para que servem os PANINHOS UMEDECIDOS??? Isso mesmo! Tá suando muito, então pegue seus paninhos umedecidos e passe no sovaco, nos braços, no rosto, no “necessário”. Deixar de viajar porque vai ter dia sem banho é pouco para tantas coisas que vão lavar sua alma.
Nossa cultura de indígena, de calor e de vastidão de água permitiu-nos este hábito milenar, mas em muitos lugares, principalmente frios, pessoas banham pouco, ou se asseiam de outras formas. Tem povo africano que banha com urina de vaca, que é sagrada.
Em albergues pode haver banheiro no seu quarto coletivo e pode haver banheiro nos corredores. Também pode ter apenas vaso sanitário e um bidê, já que em alguns lugares as pessoas banham pouco e como são “passageiros”, se hospedam apenas para descansar, sem imaginar que um banho é relaxante para um povo como o brasileiro. O banheiro pode ser unissex também, onde você pode estar em seu chuveirinho sem porta ou cortina e, de repente, passa um rapaz na sua frente para banhar na ducha ao lado. Ah, ou você abstrai e entra na cultura, ou você espera, como eu, chegar quase a madrugada e vai se banhar para ninguém te ver. E você também pode fazer como a senhora inglesa que conheci que encheu a cabeça de shampu e deixou cair nos olhos para não ver quem estava entrando no banheiro. Isto aconteceu comigo na Hungria, em uma república que virava albergue no verão. As pessoas pouco se importam. É estranho, mas foi uma experiência. Ah, e bastante gente sugere que se use chinelo durante o banho (devem ser de, ou ter ascendente em...hahaha!). É que eu nunca tive problemas de pegar frieira, micose, ou coisa do tipo, mas é uma boa.
Tenha sempre ROLO DE PAPEL HIGIÊNICO com você. Em qualquer lugar. Ou use seus paninhos umedecidos. Os ônibus de viagem podem parar em lugares como os do interior do Brasil, onde a higiene e precária. Às vezes você terá que usar uma cintina, a louça no chão, onde você fica agachado. Ou pode ser apenas o buraco no chão, no caso de um camping, ou um povoado distante.
Cuidado ao se alimentar. Prefira comer, se for comer em um mercado, alimentos assados. E tenha com você algum remédio para tomar, tipo, assassino de vermes. Tome chá de hortelã algumas vezes se for para países mais simples e se você tiver estômago, fígado fracos, prefira consumir coisas de supermercado. Dá para confiar um pouco mais. Se for beber águas não engarrafadas, tirando os países mais pop da Europa, que tem fontes para todo canto, muitos com águas de sabor ruim, leve cloro para pingar umas gotas. É só para evitar você ficar mal durante a viagem. Leve remédio para verme. Eu não levei, mas sei lá você...
Limpeza nas ruas. A gente acha que o primeiro mundo é um asseio, mas é coisa de filme. Tem sujeira, cocô de bicho, gente que joga lixo pelo chão. Alguns países multam quem faz isso. Então, vá aprendendo a ser asseado e volte com este hábito para o Brasil caso você seja um lambudão que joga tudo pela janela do carro pra DEIXAR O CARRO LIMPO. Cabeçudo! E se você quer jogar coisa pela janela, ou na rua, jogue sementes de frutas em jardins, nas marginais, nos parques, porque é possível que brote e teremos mais pássaros, borboletas, abelhas e mais frutos, flores, mel, belezas e natureza a nossa volta. Se você demorar para achar um lixo para se desfazer de seus resíduos, guarde em sua pochete até aparecer um, pelamordedeus! Sem porquice. “Ah! Mas todo mundo faz!” Deixa de ser igual, criatura! Você ta aqui pra aprender, então entenda que isto é pensar nos outros e em você. É assim que temos que viver, lembrando que vivemos com mais gente e tudo é para o bem de todos!

Meu, o Tietê, aqui em São Paulo, poderia ser navegável de novo. Ainda acredito que poderemos usá-lo novamente como meio de transporte, turístico e que teremos peixes de volta. Mas o povo, principalmente os mais humildes de dinheiro, tem que se ligar e parar de emporcalhar os braços do rio! Sabe aquela história do “sou pobre, mas sou limpinho”? Existe! E isto te enriquecerá, pessoa mais simples! À você e a nós! Todos ganham porque ações óbvias nossas melhoram a saúde, o transporte e o meio em que VOCÊ VIVE. Cada papelzinho de bala, cada chiclete, cada latinha de cerveja que você joga e diz que é pra ajudar o catador, prejudica nossa vida. Vocês estão vendo como as enchentes estão cada vez piores. Você pode dizer que o problema não é o lixo e sim excesso de água, mas o que é que a bendita água carrega pra tudo quanto é lado? A nojeira que jogamos por aí. Aí o povo morre doente, os móveis que ficaram cheios de água, ficaram também cheios de tanto lixo que jogamos por aí que ñ tem como se salvar.

Fique esperto, maluco. O que a água não quer ela traz de volta. Vai na sua boca! O mundo mostra pra gente essas coisas que a gente deixa de enxergar bem na frente da casa onde a gente vive. Que bom que mostra, não é mesmo? O negócio é a gente enxergar bem e propagar as coisas boas que a gente aprende.
Então, voltando a falta de banho? O que é um “pum, para quem está desarranjado?” Abre o olho e aproveite seu mochilão para fazer o mundo ser melhor! Mesmo sem uns banhinhos.


Techau!




V for Verônica