11 de mai de 2009

COUCHSURFING, HOSPITALITY CLUB, ALBERGUE, HOTEL, CAMPING

PARA SABER COMO ADQUIRIR MEU LIVRO DE VIAGEM ECONÔMICA - MOCHILÃO - CLIQUE AQUI
__________________________________

Isto é algo muito gostoso na viagem econômica: Onde ficarei hospedado? Vou economizar um pouco mais, vou gastar um pouquinho mais, vou dormir "de grátis" na casa de alguém caridoso o suficiente pra me ceder um "sofazinho", vou pra um camping ver como é dormir ao relento....

O lugar onde vamos nos hospedar tem muito a ver com o que queremos. De acordo com sua opção você terá experiências mais impactantes. É que no final, o local onde você ficará para seu descanso se torna muito mais que isso. Deveria ser para banhar, organizar as coisas e dormir, mas é bom ser mimado, não é mesmo? Uma comidinha boa, um quarto gostoso, um bom papo...é como a sereia cantando pra te levar pro fundo do mar. É justamente o que acontece em Resorts. Fazem de tudo pra você ficar dentro deles, consumindo, num local recluso, seguro dos terrores do mundo, onde te alimentam, te oferecem todo lazer, tudo a um preço, que se você tiver como pagar...por que não?

Se você está numa viagem econômica eu já tô confusa. E mais! Dependendo do tempo que você tiver para aproveitar sua viagem, tipo, um mês, conhecendo lugares, o povo e tudo que há pra se aprender enquanto se caminha, você está perdendo tempo com luxo desnecessário. Se você tá numa Volta ao Mundo e quer, de vez em quando ter tempo pra você, economicamente, hospede-se em um hotel simples. O negócio é relaxar, colocar seus pensamentos no lugar, organizar suas coisas, desligar do ritmo diferente, sentir-se parado por um(s) dia(s)? Então, isto é o melhor a se fazer.
Vamos falar um pouco sobre prós e contras de cada tipo de estada para um viajante econômico, mochileiro, num sabático de, no máximo, 3 meses:

COUCHSURFING
Cada vez com mais adeptos(mais de (700 mil inscritos), tanto por ser "de grátis", como pela oportunidade de conviver com pessoas comuns durante sua estada nas cidades do mundo, traz aproximação entre pessoas, um contato forte que possibilitará reencontros futuros, possível grande amizade, uma experiência inexplicável do carinho dessas pessoas que disponibilizam suas casas e seus tempos para perfeitos estranhos. É como estar na casa de parente.

Daí, o negócio é se comportar, respeitar os hábitos da casa, ser solícito, ajudar com limpeza, preparar comida, ajudar até a comprar comida, se possível. Você tá comendo, né? Vamos ajudar, oras! Muita gente inscrita no couch se disponibiliza apenas a acompanhar em passeio pela cidade, ou para receber você para uma refeição e isso também é muita gentileza. É querer mostrar receptividade em suas terras de origem. Fiz couch acidental em 1994, em Siracusa, Nova Iorque, com a querida Judy que pegou minha irmã e eu na rua e levou pra casa.

O que eu(minha visão) sinto de possível problema no CouchSurfing é o excesso de atenção começar a podar a liberdade. De repente, (uma coisa que é boa, mas que tb não é) você ter um guia para te levar pela cidade, te acompanhar em tudo, fazer as coisa por você, tipo, te dar a proteção que você estava tentando não precisar. E lá você perde uma experiência. Tudo será maravilhoso, mas você perdeu, sim, a liberdade. Outra coisa é a acomodação. Quando você vir já vai ser 10 da manhã e você ainda tá todo preguiçoso na "sua casa", numa cama gostosa. Depois ainda vai tomar o café e vai te dar uma preguiça e você vai ligar a TV. Também pode acontecer de seus novos amigos te segurarem conversando a noite toda. Aí quem vai aguentar acordar cedo? E quando eles já te avisam que vão te esperar para o almoço, ou janta, ou falam que vão te pegar em tal lugar, tal hora para vocês fazerem um programa planejado por eles? Se para você o que vale são as pessoas, a experiência de conviver com gente de outra cultura, isto é o céu, mas se não for, saiba cortar isso. Acorde cedo, vá deitar cedo. Avise que só chegará para dormir. Quem sabe você arranja um dia pra ficar mais em sua casa e conhecer seus anfitriões? Mas a prioridade é conhecer outro mundo e mudar seu jeito de ser, com mais independência em seu caminhar.
Na linha do CouchSurfing. Inscreva-se nas páginas para participar cedendo um lar temporário ou solicitando um em qualquer liugar do mundo.
ALBERGUE
Ai, gente, albergue é pura vibe de viagem. Gente do mundo todo, saindo e entrando, vindo falar com você, dormindo no mesmo quarto, te acompanahndo em algum passeio, ás vezes seguindo grande parte da viagem com você. Tudo é feito em comunhão. às vezes até o banho...
O que tem de incômodo no albergue é que você pode dar o azar de ficar num quarto com uns jovens endemoninhados, barulhentos, fedidos. Pode acontecer, como em um hotel, de terem errado sua reserva caso você tenha feito uma pela internet, você chegar e...cadê a sua cama? Mas acho q isso é o mínimo. Tem-se muito mais a ganhar com os contatos, o estilo de vida, as reuniões pra preparar comida na cozinha. TUDUMUNDUJUNTU.....

HOTEL
Um hotel econômico é uma maravilha. Ainda mais para aqueles que são avessos a grupos, monte de gente no quarto. Se você está em uma viagem longa, nada melhor do que algumas vezes se hospedar em um quarto individual para relaxar, organizar suas coisas, seus pensamentos, dar um tempo para sua cabeça.
Agora, você esta fazendo uma viagem num estilo diferente, com objetivo de interagir com pessoas do mundo, então...não era isso que você ia tentar mudar? seu jeito de viajar? Ficar em um hotel, sozinho, direto, em um quarto não tem nada de interação!

CAMPING
Acampar é "comungar com a natureza". Mas é gostoso mesmo! Pra quem gosta de mato, de montar barraca, esquentar comida em fogareiro, estar todo equipado pra se manter aquecido em noites frias, sozinho, acompanhado de amigos ou de um alguém interessante(hum...), lua cheia, noite estrelada. Mas também pode ser noites mal dormidas, dores nas costas, frio, excesso de barulho, mesmo com protetor de ouvido, inseto, bicho, medo. Tenha ciência de que camping pode ser muito gostoso, mas se você não é o tipo amante de natureza vai sofrer um "mucadinho". Vale experimentar.

Qual seria a melhor opção, afinal?
A questão não é apenas opção. Muitas vezes é necessidade(grana), ou se ligar de que você não serve pra ficar hospedado de alguma dessas formas, seja porque você fica folgado com a viagem quando dorme na casa de alguém, ou porque te seguram muito, por carinho, ou porque você não nasceu pra ficar no mato dormindo mal, com dor nas costas, ou porque o hotel te priva da experiência de se misturar com outros, ou porque o albergue tem muita gente e você fica com medo levarem suas coisas.
O negócio é o seguinte: fique esperto com os benefícios de cada estilo de estada e aproveite da melhor forma sua viagem. Se possível, experimente todos os estilos. É como passar por sol, chuva, neve, tempestade de areia...Sempre tem algo especial e marcante em cada cama, sofá e aconchegos de lares
dos perfeitos estranhos.
E vão lá dar uma deitadinha no sofá de vocês pra ver se comporta.
Cheiro nos cangotes,


V for Verônica

5 comentários:

  1. Verônica, acompanho seu blog a quase um ano e vejo todo dia se tem atualizações novas. Vejo o do Éber também e já vi todos seus vídeos no You Tube. Nossa, você me ajuda tanto, nem imagina como. Como ainda sou menor de idade, nunca mochilei, seu blog me ajuda a entender o estilo do mochilão, me prepara e me orienta para como devem ser as coisas...dinheiro, peso da mochila, roteiro, hospedagem, transporte e etc. Suas dicas são muito boas mesmo, continue postando sempre que puder. Abraços

    ResponderExcluir
  2. Menina, faça um blog e escreva sobre seu projeto. É bom desabafar com as pessoas. É o q faço. Você acaba encontrando mais gente q precisa do mesmo q vc: apoio, esclarecimento, compreensão. Se vc fizer isso, vai pensar melhor, vai exercitar sua escrita, vai ter mais idéias pq vai ter mais gente pensando com vc.
    E se torna viciante. Mas é saudável.

    E ponha seu nome aí, criatura, pra eu te conhecer.

    Felicidades,

    V for Verônica

    ResponderExcluir
  3. Ah, desculpe por não ter posto meu nome...se tivesse posto você não teria me chamado de 'menina'...ahahahaha....mas tudo bem...Meu nome é Marcelo.

    ResponderExcluir
  4. Ai, Marcelo...Agora fiquei foi rindo.

    Já fez seu blog?

    Beijo,

    V for Verônica

    ResponderExcluir
  5. Ainda não criei meu blog Verô...Não tenho muito sobre o que escrever...AINDA...quando estiver próximo do meu primeiro mochilão,ou seja, daqui a uns anos, concerteza vou escrever em um blog. Atualmente, depois de ter explorado todos os posts do Mochilão Sem Fronteiras, tô lendo um que você indica, o RELATO 1º MOCHILÃO PELA EUROPA DO ANDRÉ, que por sinal é muito bom também, mas vou ter um trabalhão pra ler tudo, pois são MUITOS posts mesmo...mas vale a pena...acho que quanto mais eu aprender antes de fazer meu mochilão, mais eu vou estar preparado...atualmente tento ler tudo que cai na minha frente...ah, agora dexa de papo se não esse post vai ficar enorme..eu aqui falando igual um bobo..hhhahahaha...ah, uma última coisa, continue postando! Beijo!

    ResponderExcluir