17 de mar de 2009

SHOW DA DAMA DE FERRO - IRON MAIDEN

Meu,

viajei no show do Iron! Não! Viajei mesmo! De Louvercity fui pra Santo André, de Santo André fui para a Aclimação, em São Paulo, fiz escala no shops Eldorado e assisti junto com minha irmã e Marco "Watchmen", que foi, digamos, fiel aos quadrinhos (o que mudaram não ficou mal), pegamos el tren español e, juntamo-nos a orda de roqueiros uniformizados e cantando diversos "riffs" de guitarra, além dos "ôs-ôs-ôs" com os quais acompanhamos diversas músicas durante o show.
Chegamos antes das sete só para darmos de ventas com uma fila para a entrada. Era uma procissão gigantesca de mais de 2 quilômetros que teríamos que enrabichar. Imaginem que tivemos que andar tanto para achar o final da bendita que já estávamos acreditando que não entrarámos antes das 22h00 no autódromo. A fila seguia por uma rua estreita onde só tinha casa no tijolo e barraco de kátcha(ça). Impressionante que o povo não tava mamando muito. Provavelmente porque "amanhã" era segunda-feira. Meu, é crueldade com o povo devoto da Dama e do trabalho, pela maioria certamente ser de paulistanos, botar um show poderoso destes pra a gente nem poder comemorar no final da madrugada. Quer dizer, a gente acaba comemorando porque, afinal, quem gosta de "Iron Maiden"* é gente que gosta de sofrer!

Para serem mais cruéis ainda, logo que conseguimos entrar no autódromo tínhamos que fazer uma "saudação quilométrica ao nada!" Pistas e mais pistas até conseguirmos ver o que já estávamos ouvindo há minutos! Tamparam o alambrando, vejam que poético, com folhas "feitas de ferro", torturando mais ainda a gente que não podia ver o que já estava rolando enquanto seguíamos para a pista. E era aquele bando de não arrebatados correndo desesperados e eu querendo correr com o Jurandir, mas minha irmã tava manca andando atrás com o Marco. Cacetada! Já era a 2ª música e ainda não tínhamos conseguido ver nem o público apesar de já estarmos dentro do autódromo. Ridículo.
Quando, finalmente, chegamos no lugar cômico que ficamos até o final, percebi que da vez que fiquei do lado de fora no show do Palmeiras em 2008, fiquei mais perto da banda do que estava agora. Eu só via umas coisinhas se mexendo no palco e, pra ajudar mais ainda, os telões estavam com defeito, cheios de falhas em pedaços da tela. Malditos!!!

Bruce, o vocalista, ainda desculpou-se com o público. Lamentou que o céu tivesse "mijado" nos fogos de artífício e, também, pelo atraso, mas sabiam que a maioria do público ainda estava do lado de fora e consideraram que deviam esperar. Certíssimo apesar de errados. Que organização do cacete foi essa? Nunca na minha vida de shows - e já fui em vários de grandes bandas - passei por uma coisa tão esquisita. E apenas pela absurda fila e uma pobreza de telão! Foi durinho.

Mas, agora, a torturada tem que dizer de seu prazer: _UTA SHOW! _UTA VIBE!

Meu, fiquei com medo da acústica do autódromo. Já tinham dito que não era boa e eu pensei que era bem absurdo uma banda como Iron aceitar tocar em um lugar onde ao som ficaria ruim. Esta perfeito! Os caras são excelentes músicos e gostam do que fazem. O decoração de palco, as trocas de roupa, Eddie....Tudo parece ser feito com tanto carinho e preocupação de colocarnos em uma outra dimensão que, na terceira música eu já tava apenas alucinada e olhando aquele trocinho correndo de um lado para outro do palco.
O público é a outra atração! Tinha um bando de chifrudos iluminados, os cabeludos que ADORO, aquele ar light de músicos indo ver um amigo tocar. As namoradinhas influenciáveis, algumas de botas de salto, uns meninos com os pais, todos devidamente trajados com a camiseta de seus super heróis preferidos: Iron Maiden. Vá, também tinha Rush, The Doors, Stratovarius, Manowar, Led Zeppelin, mas, realmente, a maioria era puro Iron.

Iron tem uma identidade muito forte no metal e Bruce, com sua voz afinada, lírica e personalizada, encanta-nos a adentrar na tortuosa dama. Meu, imagina voar com esses caras e entrar na cabine, bater de cara com Bruce pilotando? Meu, eu quero voar com o cara. Ele é contratado da Astraeus Airlines que fornece pilotos para vôos comerciais de companhias como a British Airways (aliás, a Astraeus é da British), sem contar com o Bruce Air que leva fãs ingleses a shows do Iron com QUEM PILOTANDO???
Bom, também já vi que o avião da banda, o Ed Force One tem réplicas em miniatura sendo comercializadas aqui: www.ironmaiden.com/shop/web/index.php
Olha, a gente fala que show é show. Pode ser de uma bomba de grupo, tipo...meu, nem vou falar -pense em alguma banda que você não goste - a vibe está é no ar.
A energia do público, a paixão o respeito e os sacrifícios feitos para ver "de perto" seus cantores preferidos. Todo aquele povo alucinado por música, por prazer, por um orgasmo acústico, onde todos piram juntos e pulam e headbangueiam e ficam depois a semana meio zumbis, cantando as músicas, lembrando dos momentos como sendo os melhores da suas vidas até o próximo show. Gente que vem de todo lugar do mundo pra gozar do que vale mais na vida: um gosto. É isto que vale, gente. A felicidade, plenitude, sentimento, realização. A quimica do corpo que faz a gente ser mais feliz. Música boa é um desses elementos fora da tabela periódica.

Sorte pra vocês e lembrem-se sempre:

MAIS VALE UM GOSTO! Mas tem que ser de BOM gosto! hihi


V for Verônica
A Dama de Ferro é um objeto de tortura medieval que consiste em uma espécie de caixote modelado com formas bizarras onde o pobre era colocado em pé e depois trancado. Mas o negócio não era ficar trancado; havia pregos estrategicamente localizados dentro deste negóco e eles furavam garganta, olhos, coração...era pro povo sofrer antes de morrer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário