12 de mar de 2009

Mochilão com amigo(a), namorado(a) - O que é meu e o que é seu?

Vai viajar com amigo? Cada um está levando sua quota de comida, shampu, roupas, dinheiro?
Então vamos lá: O que é meu é meu. E o que é seu é seu! Salvo uma situação seríssima como um roubo, um não pode acabar com as provisões do outro. Senão será morte certa. Dos dois.

Saiba regular suas coisas, controlar seus desejos de gasto, de fome e de sujar roupas. FAÇA SEUS CÁLCULOS DE GASTO TODOS OS DIAS. Isto é regra. É pra manter o planejamento. Se algo está saindo dos custos é analisar e, se necessário, mudar os planos. Pense que você está acompanhado, mas o que você levou é o que você consumirá. Não mais que isso. Isto é aprender a administrar seus negócios e respeitar o que é do outro.

Já ouvi histórias e passei por algumas quanto a inconsciente uso do bem alheio. Sabe quando a gente é mais experiente, avisa antes o colega de viagem, orienta a levar tal coisa em certa quantidade? A pessoa acha que é bobagem, ou exagero. Só que na hora da viagem ela faz bom uso daquilo que não quis levar, consumindo do seu. Com o tempo elas aprendem, mas antes fazem um leve rombo no seu orçamento de viagem e aí você começa a jogar na cara delas o que está acontecendo.

Pois então, para não perder o amigo, é já dar um corte na primeira, ou melhor, antes de viajar já ter tudo bem claro e manter a palavra durante a jornada. Usou em excesso? Gastou em excesso? Dê seu jeito. Regule a grana nos dias seguintes, use seu cartão de crédito, tire mais dinheiro no Visa Travel Money, ligue pra alguém da família que possa te auxiliar, ou volte mais cedo para casa. Só não estrague o mochilão do seu amigo por sua falta de organização.

Mas e se você for para o meio do mato com seu amigo para fazerem uma trilha e lá está o cara sem suprimentos? Meu, isto não pode acontecer! É o risco dos dois terem ou uma desidratação, hipoglicemia, falta de remédio....Cada um tem que ter suas coisas e em quantidade suficiente para o período de viagem. Tá saindo com menos, melhor não sair. É risco de estragar a diversão, além da raiva de ter que ficar cuidando do “forgado”.

Use sua experiência de viagem para aprender a viver no limite, sabendo o real valor das coisas e porque não se deve exagerar ou desperdiçar nada na vida. Uma viagem assim, além de te mostrar que dá para viver com pouco, abre seus olhos para os desperdícios que praticamos no cotidiano, enquanto tem (mesmo) tanta gente necessitada pelo mundo.

Saibam que isto é aprender o que é egoísmo. O que é se aproveitar do outro por falta de pensar no outro. Sempre faça ao outro o que gostaria que ele fizesse por você. Isto é amadurecer. Nada de se aproveitar dele. Mesmo por falta de noção. E você que está sendo “abusado”, tolere e ensine porque nem todos têm a nata noção do que é solidariedade, gentileza e preocupação com o outro. Questão de tempo e exemplo.
Boas noites!
V for Verônica

Nenhum comentário:

Postar um comentário