19 de mar de 2012

Mamãe não quer que eu seja um mochileiro

Mais uma vez, a benção, mamães e papais!

Pedimos a sua bênção para nós, futuros e veteranos mochileiros.

Sabe a história dos antigos de que “filho foi feito para o mundo e não para vocês”? Deixe-me contar uma coisa sobre isto: é verdade!!!

Eu sei que vocês já estão todos chorosos, principalmente chorosas, contudo saibam que é mais provável que seu filho volte de um mochilão do que de uma balada nas noites deste país. Estatística de viajantes que desapareceram você não ouve porque são mínimas. Nada para se desesperar. É assunto de nichos. Pouco acontece, principalmente porque somo uma terra de galinhas com os pintinhos grudados embaixo de nossas asas. Pobre de minha mãe. Ela, que é uma galinhazinha daquelas gordinhas, que me aquece, oferece todo carinho e conforto, uma matrona do melhor estilo de filme de máfia italiano, apesar de ser nordestina, não conseguiu me segurar. Tudo bem, porque ela segurou firme no rosário e, até hoje, tudo deu certo.

A vida é bem isso: hoje pode estar tudo bem e amanhã TAMBÉM. Quem é que acorda pensando que vai tropeçar e bater a cabeça na primeira sarjeta? A vida tem que ser leve e os pensamentos os mais positivos possíveis. Coisas podem acontecer em qualquer lugar e a qualquer momentos com desconhecidos ou conhecidos. O fato é que acontecem. Então, mãe, pai, se vocês pensarem positivo com a gente, podem crer que a energia do universo vai estar bem mais a nosso favor. E se vocês entenderem que esta primeira aventura para mim que tenho medo de tudo, vergonha de tudo, receio de tudo, será como escalar meu primeiro Everest, aí saberão que torcendo por mim e me apoiando estarão fazendo algo melhor tanto por mim como pelo universo em que vivemos.

O planeta precisa de pessoas que tenham conhecimento e não precisa ser apenas aquele da escola. Os homens tem que se conhecer, conhecer a cultura dos outros, conhecer problemas e soluções conduzidas pelo mundo. É assim que evoluímos, nos tornamos menos cruéis com os outros e conosco mesmo.
Pai, mãe, torçam por nós. Deem seu apoio e confiança. Não somos loucos; somos apaixonados em nossa juventude, em nossa vontade de conhecer, de ousar, de começar a viver uma vida mais interessante logo. A gente sabe que o tempo passa rápido e que daqui a pouco nos apaixonamos, trabalharemos demais, nos casaremos, teremos filhos e, provavelmente esta será uma de nossas únicas experiências maravilhosas. Claro que também, depois de uma dessas, a gente talvez planeje diferente nossa vida, até não case, ou não tenha filhos...ou não trabalhe! Hahaha. Mas sabemos que viajando deste jeito, no estilo mochilão, mais soltos, mais independentes, saberemos escolher melhor o que será bom para nossa vida futura.

Não nos chamem de loucos. Chamem-nos de sábios, de antigos. Afinal, não há nada mais antigo do que ser nômade!

Chamem-nos pelo nosso nome: filho.

Confiem no que vocês passaram pra gente. Ajudem no que puderem para tornar esta primeira experiência um pedaço de vocês também.

Ajudem para que nossas vidas sejam EXTRAORDINÁRIAS!

V for Verônica

Um comentário:

  1. Oi, mochileira queridíssima!
    Tenho um post sobre o mesmo assunto lá, no blog. Minha mãe que "escreveu" o post, depois, dá uma olhada. http://sepluganomundo.sairdobrasil.com/2010/09/meu-filho-quer-ser-mochileiro-o-que-faco/
    Saudades.

    ResponderExcluir