18 de jan de 2011

Ói eu aqui, Ó, em 2011! Falando de mochilão e profissão!!!

Faz tempo que estou longe de vocês, não!?
Feliz 2011!!!!

Eu tô viva, trabalhando e estudando bastante
e é por estas boas causas que desapareci daqui. Viajar que é bom ainda não rolou nestes últimos meses. Vai acontecer, podem ficar sossegados.

Estou fazendo um curso de pós graduação em Comunicação Organizacional que está sensacional. Fico imaginando trabalhar na área de Relações Públicas de uma grande Agência de Turismo. Isto seria muito bom, principalmente porque as RP são a área da integração entre todos os públicos. O público cliente interno (que precisa comprar a ideia da agência), o público cliente externo (que são os clientes pessoa física e jurídica), todos parceiros no projeto, a partir do momento em que dizem “sim” para o serviço oferececido pela Organização.

É! Tô bitolando em comunicação. E preciso bitolar. O mais legal de tudo é reconhecer no discurso dos professores a IMPORTÂNCIA DO CONHECIMENTO, DA CULTURA, DA EXPERIÊNCIA NA VIVÊNCIA EM OUTROS PAÍSES.

Conhecer tipos de pessoas, para a comunicação, é o essencial. Reconhecer perfis, saber se adaptar a situações, compreender comportamentos diversos ao seu no ambiente de trabalho. Nossa! Estou onde deveria estar. E preciso viajar e conhecer o mundo muito mais (claro)!
Reconhecer problemas comunicacionais dentro da Organização onde se presta serviço é uma das formas mais rápidas de se resolver crises. COMUNICAÇÃO É TUDO. Em qualquer área da vida. Aí eu entro com o MOCHILÃO DE NOVO!!!!

Em meu livro, falo sobre o que você desenvolve durante uma viagem neste estilo: cultura, psicologia, administração, economia, antropologia, sociologia, história, ecologia, desinibição, e, o mais importante de tudo, DIGNIDADE e HUMILDADE.

As organizações buscam pessoas com espírito forte, inovador e independente. Vejam que falei PESSOAS. Não estamos mais nos Tempos Modernos de Charles Chaplin(foto de Charles mais embaixo, comendo um milho, sendo servido por uma máquina). Somos seres que pensam, opinam e se emocionam, “de P a P”, desde o Porteiro até o Presidente da Organização(palavras de Paulo Nassar, um dos excelentes professores do curso GESTCORP).

Se você tem a oportunidade de conhecer o mundo, outros tipos de gentes, culturas, formas de viver, perca este medo bobo! Pessoas são iguais em todo lugar. Boas ou ruins, a bondade é maioria.

Estava lendo em uma SUPER INTERESSANTE antiga sobre cães (Lá em cima. Não consigo colocar as fotos no lugar. Merda....), onde dizia de onde havia surgido o cão doméstico. Ele veio dos lobos, só que os mais afáveis sobreviviam, pois conseguiam se aproximar do homem e ser alimentados em épocas difíceis. Já os lobos com instinto mais violento, passavam fome e iam desaparecendo. Assim, a seleção natural dos mais dóceis se preservou.

Certo, somos de outra raça, mas somos animais e nossa seleção é idêntica. Já ouviram falar no “prêmio Darwin”? Ele também fala sobre seleção natural. Acessem a página e vejam vocês mesmos. "Homenageando aqueles que melhoram a espécie humana se retirando dela".

Sobre a dignidade em viagem, posso dizer que você pode se sujeitar ao que é possível. Muitos gostam de viver no limite e passar pelo que considero humilhações. Passar fome para guardar merrecas de dinheiro durante a viagem (tem gente que faz isso e acha digno. Cada um com suas concepções, certo?), Arrebentar os joelhos, carregando uma mochila de 13 kg, economizando em determinado transporte sem verdadeira necessidade, dormindo em locais suspeitos também por economia porca. Viram que tudo envolve dinheiro? Muito da dignidade está ligada ao uso que você faz do seu dinheiro. Seja sábio, seja humilde e seja DIGNO COM VOCÊ MESMO. Cada pessoa tem seus limites e o mochilão faz você descobrir que limite é algo que você inventou pra lhe confortar. Amplie seu horizonte e veja o mundo de possibilidades profissionais, espirituais, emocionais que está diante de você.

O mochilão, pelo seu jeito de ser, mostra, à força, muita coisa para o viajante. Ele lhe coloca em situações em que você terá que agir de qualquer jeito para dar continuidade a jornada. Seja mudando seu curso, reservando uma hospedagem, fazendo um novo amigo, despedindo-se de outro. Ai, isso é o mais difícil: despedir-se das pessoas do caminho. Daquela CONVERSA toda complicada em outra língua, daquela leitura terrível do mapa da cidade que fez você darem muitas risadas depois da terceira volta seguida no mesmo lugar, do cerveja quente no pub norueguês que na verdade estava deliciosa, junto com a companhia, as verdades que se diz ao desconhecido mais conhecido do momento. Isso engrandece a gente. Dói muito a despedida, a pergunta do quando veremos aquela pessoa tão especial de novo neste imenso mundo.

De todas as relações que temos durante a vida, citando aqui a profissional, a familiar, os amigos, temos que lidar com conflitos, seja de uma frase mal dita(maldita frase), uma emoção mal expressada, uma leitura errada dos sinais do outro, a mais importante de todas é a nossa relação CONOSCO. Se você estiver infeliz com você, com a forma com que sua vida está lhe tratando, só você poderá transformar as coisas. O mochilão, mais uma vez, serve como terapia para você. Ele lhe coloca em contato com seus instintos, em situações diversas das usuais, busca dentro de você a solução para a melhor sobrevivência. Será assim que você se conhecerá melhor, saberá lidar da melhor forma com situações e será um ser mais evoluído e sábio em diversas relações.

Profissionalmente e psicologicamente uma viagem como esta lhe trará tantos benefícios quanto lhe traria um curso teórico de administração, ou um ano de terapia. Claro que até recomendo a terapia, dependendo do seu grau de distúrbio. Desconheço muito da área da saúde, mas gosto de ler pessoas. Então, como não posso prescrever medicamento, prescrevo viagens com receita mochileira.

Acho que o mochilão já está tratando um bocado de gente pelo mundo. E eu estou ficando sem este medicamento há tempos!!! Ai! Ai! Ai!

Ah, e sobre AMOR AO TRABALHO, entenda que o local onde você trabalha é apenas o local onde você faz uma troca de serviços; ele não é SEU. Faça o melhor nele, mas não se apegue. Pessoas são insubstituíveis sim, cada uma com qualidades inerentes, jeitos, emoções, diversões, energias, mas muitas pessoas ainda vêem gente como nos Tempos Modernos. Tempos que estão ficando cada vez mais velhos e ultrapassados. Aprenda, conheça, comunique-se bem, estude, respeite e ame. Transforme sua vida em algo especial. Afinal, isso é tudo que temos a fazer em vida: VIVER BEM.
VIVER e VIVER e VIVER.

E vá logo preparar seu mochilão!


V for Verônica
Fotos diversas de VIDA que não consigo colocar no meio do texto. O que está acontecendo com o blogspot? Ou seria meu computador????

Esquilo na minha goiabeira

Casa da Cultura em parque na cidade de Itatiba

Eu, pintada de Gueixa, coisa linda

Mamorrrr nos trilhos do trem de Louveira e a lua cheia acima

Mamorrrr e Pandi na estação de trem de Louvercity

Katchenha, Fernandinha, Pandi e Mamorrrr. Ao fundo, igreja de São Sebastião, em Louvercity

Yo y la luna

No ritmo da balada em Itatiba

As sombras da noite Louveirense: Mamor, eu, Eber, Fê e Elvis e
o amor no caminho do morro do Biscuola. Ai, ai....

Nenhum comentário:

Postar um comentário